BLOG

  • Lais Cattassini

O Mundo em Teksto 29/03

Pessimistas de plantão talvez sintam um certo conforto ao ler as notícias, sejam elas do Brasil ou do resto do mundo. Ao acompanhar a crise do Ministério da Educação no Brasil, o fiasco do Brexit na Inglaterra, a treta nos Estados Unidos ou o desastre na Venezuela, essas pessoas devem respirar aliviadas sabendo que estão certas: “nada é tão ruim que não possa piorar”.


E é com essa mensagem animadora e cheia de felicidade (#sqn) que a gente abre a newsletter desta semana, mostrando para você todas as razões para ser pessimista, independentemente do continente em que você mora.


Esse é O Mundo em Teksto.





A participação da Rússia na vitória de Trump. Ou não

Depois de quase dois anos de investigações, o procurador especial Robert Mueller concluiu que não existem provas de que a Rússia tenha conspirado com a campanha de Donald Trump durante as eleições presidenciais americanas. A conclusão foi apresentada em um resumo de quatro páginas, mas o relatório original tem mais de 300. Apesar de Trump insistir que a investigação o exonerou de qualquer culpa ou responsabilidade, isso não é bem verdade. Trump e seus familiares ainda estão sob investigação e o relatório não nega que Trump tentou obstruir as investigações. Democratas estão pressionando o departamento de justiça para divulgar o relatório de Mueller em sua versão integral.

Saiba mais:

Washington Post - Mueller não encontrou mesmo evidências de uma conspiração com a Rússia?

Business Insider - O relatório de Mueller tem 300 páginas e pode responder questões importantes sobre a relação de Trump e aliados da Rússia

New York Times - O relatório de Mueller tem 300 páginas, colocando em dúvida documento resumido

The Guardian - Trump fala em “grande farsa” em primeiro comício após divulgação de relatório

Quartz - O relatório de Mueller chegou ao fim. O que acontece agora.

Quartz - Leia a carta que resume o relatório de Mueller

The New York Times - Mueller diz que não houve conspiração com a Rússia

Washington Post - Suas principais perguntas sobre o relatório de Mueller respondidas



Tropas russas na Venezuela

A Rússia enviou à Venezuela dois aviões militares com soldados e equipamentos. A ação é parte de uma cooperação militar que o país mantém com o regime de Maduro. Segundo os russos, as tropas enviadas não vão participar de operações militares, mas a presença de soldados foi o bastante para alertar os Estados Unidos. Trump pediu para que as tropas se retirassem e a Rússia, claro, rejeitou o pedido. Enquanto a movimentação militar acontecia, a controladoria geral da Venezuela, órgão controlado por chavistas, acusou Juan Guaidó de corrupção. O órgão alega que existem inconsistências nas declarações financeiras do líder da oposição, autodeclarado presidente interino do país. Com a acusação, Guaidó se torna inelegível por 15 anos. Mais cedo, Maduro autorizou a entrada de ajuda humanitária no país.

Saiba mais:

DW - Rússia envia aviões militares à Venezuela

Reuters - Rússia diz que enviou ‘especialistas’ à Venezuela

Reuters - Rússia rejeita pedido de Trump para retirar tropas da Venezuela

El País - Regime de Maduro tenta tornar Guaidó inelegível por 15 anos

Le Monde - Guaidó removido de cargo de presidente do parlamento e declarado inelegível

New York Times - Cruz Vermelha autorizada a entrar na Venezuela



14 dias para o Brexit e ninguém sabe o que quer

Se restava ainda qualquer dúvida de que ninguém sabe bem o que quer quanto ao Brexit, essa semana deixou tudo ainda mais evidente. O que não está claro ainda é como o Reino Unido pretende sair da União Europeia. Na quarta-feira os membros do parlamento votaram (e rejeitaram) as oito opções disponíveis para o Brexit. Não querem criar uma área de livre comércio, não querem eliminar controles de fronteiras para facilitar importações e exportações, não querem um Brexit mais brando, não querem ficar na União Europeia e negociar acordos comerciais mais favoráveis e também não querem negociar um acordo comercial permanente com a UE. Mas também não querem deixar a União Europeia sem acordo, não querem cancelar o Brexit de vez e nem organizar um novo referendo. Ou seja… Chama o Bolsonaro pra negociar com esse parlamento, né? Turumtussss. Theresa May fez até chantagem: Disse que se o parlamento aprovasse o acordo que ela desenvolveu, deixaria o cargo de Primeira-Ministra. Nem isso adiantou. O acordo foi rejeitado uma terceira vez. O prazo para que o Reino Unido decida o que quer fazer - se deixa a União Europeia sem acordo ou se fica por mais um tempo, participando das eleições do parlamento europeu - acaba em 12 de abril.

Saiba mais:

New York Times - Acordo de Theresa May para o Brexit é rejeitado uma terceira vez

The Guardian - O que acontece agora que o acordo foi rejeitado novamente?

The Guardian - Quem pode ocupar o lugar de Theresa May?

The Guardian - Parlamento rejeita todas as opções do Brexit

El País - Theresa May oferece demissão para salvar Brexit

The Guardian - Ainda há chance de um novo referendo



Reviravolta na Tailândia

No último sábado, como antecipado aqui, a Tailândia realizou eleições, o primeiro processo eleitoral desde o golpe militar de 2014. Durante a semana, o grupo pro-democracia afirmou ter vencido o voto popular. Com resultados parciais, o partido Pheu Thai, que estava no poder antes do golpe, disse que formaria um governo de coalizão com outros seis partidos para colocar um fim no governo militar. Com 100% dos votos contabilizados, entretanto, a comissão eleitoral do país afirmou que o partido militar foi o vencedor. Porém, esse ainda não é o resultado oficial, que só será anunciado em 9 de maio.

Saiba mais:

The Telegraph - Partidos democráticos da Tailândia se unem para acabar com governo militar

Reuters - Partido militar da Tailândia vence voto popular, diz comissão eleitoral



Ataque na Nova Zelândia tem ligação com movimento de extrema-direita austríaco

O homem responsável pelo ataque em mesquitas na Nova Zelândia doou dinheiro para o Movimento Identitário na Áustria, um grupo de extrema-direita que vê negros e muçulmanos como uma ameaça aos europeus. O Movimento Identitário surgiu recentemente na Europa, mas já se espalhou para o Canadá, Austrália e Estados Unidos. Apesar de defender a ideia de que brancos europeus estão sendo ameaçados por imigrantes não-brancos e muçulmanos, o grupo insiste que não é racista. Ahh tá. O governo austríaco prometeu desmantelar o grupo. O chanceler austríaco Sebastian Kurz disse que “nenhuma forma de extremismo tem espaço em nossa sociedade. Seja de radicais islâmicos ou fanáticos da extrema-direita.”

Saiba mais:

Reuters - Homem responsável por ataque na Nova Zelândia deu dinheiro a movimento de extrema-direita na Áustria

Business Insider - Atirador da Nova Zelândia deu dinheiro a grupo de extrema-direita com influência na Europa, Austrália e Estados Unidos

The Guardian - O que é o Movimento Identitário?

The Guardian - Áustria promete desmantelar movimento de extrema-direita



Brunei estabelece apedrejamento como punição para sexo gay

A partir de 3 de abril os cidadãos de Brunei que forem acusados de praticarem sexo homossexual ou cometerem adultério serão condenados à morte por apedrejamento. O novo código penal do país, que segue a lei sharia, prevê ainda amputações em casos de roubo. Para que ocorra a condenação, os crimes devem ser “testemunhados por um grupo de muçulmanos”. O sultanato localizado no sudeste da Ásia é comandado por Hassanal Bolkiah, que vive em um palácio com apenas 1.788 cômodos.

Saiba mais:

The Guardian - Brunei estabelece pena de morte por apedrejamento para sexo homossexual

The Telegraph - Brunei introduz apedrejamento como punição para sexo gay e adultério

New York Times - Brunei irá punir sexo gay e adultério com apedrejamento

CNN - Brunei vai punir sexo gay com morte por apedrejamento



Fake news no Congo

Embora seja o cenário de uma grave epidemia de Ebola, um estudo publicado pelo Lancet Infectious Diseases Journal revela que uma em cada quatro pessoas na República Democrática do Congo não acredita que a doença seja real. A crença prejudica o acesso da população ao tratamento, aumentando o número de casos e agravando a epidemia.

Saiba mais:

AP - Muitos em meio a epidemia de ebola não acreditam que o vírus é real



De olho na Ucrânia na semana que vem

No domingo os ucranianos irão às urnas pela primeira vez desde 2014, quando o presidente pro-Rússia Viktor Yanukovych foi derrubado. Liderando as pesquisas está o comediante Volodymyr Zelenskiy, a estrela de um sitcom sobre um homem comum que, de repente, vira presidente. Vale a pena ficar de olho.

Saiba mais:

GZero Media - Quem é Volodymyr Zelenskiy?

BBC - Por que o comediante Zelenskiy é uma ameaça a Poroshenko?



Brasil lá fora

France 24 - Bolsonaro ordena celebração do golpe militar

New Yorker - A estratégia sulista de Jair Bolsonaro

The Guardian - Revolta após Bolsonaro sugerir celebração de golpe militar

El País - Aposentadoria a 53 solteiras que herdam pensões… Bem-vindos ao Brasil

Washington Post - O passado sombrio que o presidente do Brasil quer celebrar

The Economist - Jair Bolsonaro, o aprendiz de presidente



Quer receber a newsletter na sua caixa de e-mails todas as sextas-feiras? Assine!


19 visualizações
ContatO
Contact info
  • Black Facebook Icon
  • Black LinkedIn Icon
  • Black Twitter Icon

©Teksto